Se inscreve ai, nunca te pedi nada...

sexta-feira, 14 de abril de 2017

....

as histórias de amor em sua grande maioria costumam ser tristes, mas confesso com todo afeto que sem elas nada seríamos.

Abotoava calmamente a camisa em frente ao espelho, enquanto a televisão trazia noticias sobre as barbáries cometidas na Síria. Sentou a beira da cama para melhor calçar os sapatos e por um momento deixou as lembranças virem a tona, como um turbilhão e deixou pouco a pouco se afogar em todo aquele mar.

Em questão de segundo estava sentindo o cheiro dela, lembrando das risadas matinais por ter achado uma calcinha bem dobrada no bolso do paletó, na pasta ou no porta luvas… o jeito doce que ela dizia que não fazia ideia como aquilo fora parar ali. A saudade dela costumava vir com toda força durante a manhã e para piorar o prognóstico na noite anterior um grupo de amigos compartilhavam e comentavam as novas fotos dela para alguma linha de roupas.

Nossa! As lembranças vieram como um abraço indomável, não largavam.

O resto você pode conferir na minha pagina do medium
https://medium.com/@eldermalaquias/s%C3%B3-faltou-um-titulo-decente-81a9e689d99a 

segunda-feira, 3 de abril de 2017

o relicario

Primeiramente, bom dia

iniciando com o pé direito o mês de abril.
Recordei que esqueci de compartilhar com vocês que acessam o blog a muito tempo e não me seguem por outras redes sociais que agora  o blog amor em escrita (que possivelmente irá mudar de nome) tem um instagram só para ele... e era só isso que eu vim falar mesmo. 
Segue lá meu povo

segunda-feira, 27 de março de 2017

veja

nascemos em unidade, livres,
donos dos nossos mundos,
cada qual em seu polo.
nos encontramos em meio a melodia
da nova musica popular brasileira,
cercado de aliados, entre gritos, danças
extravagantes e um tal de cinco a seco.
nos desencontramos,
distanciamos em ruptura incógnita,
eu sem ti e você sem mim.
Agora já não somos dois,
tornamo-nos três,
a saudade, você e eu.

-e.m

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

ressaca.

Acordou chutando o balde,
Bebeu o resto de uísque
Que ainda existia contra vontade
No copo imundo.
Pequenices da noite passada,
Saudade amarrada,
Cara amassada,
Ressaca amargurada,
Qual era o nome dela mesmo cara?

 -e.m(2017)

sábado, 11 de fevereiro de 2017

O café solitário
na caneca ao lado da cadeira vazia.
O travesseiro praguejando,
lamentando a falta.
Os moveis empoeirados,
a casa bagunçada,
as cores mortas, flores mortas.
Besteira! Traz um café preto
sem açúcar por favor,
 hoje não bebo mais nada etílico,
é estupida essa vingança.
Hoje vou me embebedar com algo
mais poético, mais pretérito,
vou tomar um porre diferente,
pode ficar com as chaves do carro e da casa,
não ligo,
por que essa noite meu caro,
vou entrar em coma "alcoólico" só pensando nela
até parar de doer.

-e.m(2017.02)

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Fica tranquila

De recaída e recaída,
haja bebida,
derrama mais e mais cachaça
sobre essa ferida.
"É álcool mainha,
serve para esterilizar
um dia vai estancar 
essa sangria,
pode acreditar."
-e.m(2017.02)
meus avós em cinquenta anos de casados
me ensinaram mais sobre o amor do que quinhentos anos de filosofia.
Aprendi que toda essa negação é o ápice da babaquice
e que na verdade o ser humano tem que aprender a esperar, a ver, a ler nas entrelinhas.
O tempo é uma inconstância prática,
e se atiçar a onça com vara curta
com toda certeza você irá se estrepar.
Descobri pouco a pouco entre os teus sinais,
que o teu cheiro é o que fica,
como se fosse pirraça em cada canto dessa casa.
O banco do carona vazio já passa a incomodar,
mais uma vez meus avós tinham razão.
Já era amor antes de ser poesia,
antes de ser disritmia,
em toda unicidade
meus átomos, minhas células,
minhas entranhas de todas as maneiras
já procuravam por você entre o cosmo, multiverso,
dimensões possíveis dentro do tempo espaço,
para que assim, de maneira serena e caótica
Todo esse amor em nosso amor se encerrasse,
e acabasse.
-e.m(2017.02)

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017



A cerveja raivosamente apreciada,
na mesa improvisada em uma torta
praça publica.

Os grafites em pedaços,
retalhos de nossa historia,
um baita samba enredo,
dessa falida escola.

Tristeza é o destaque
do estandarte,
o amor é o tom,
de todo novo
samba canção.

-e.m(2017.02)
-Só para livrar-me desse embaraço,
desembaraçando toda essa linha tênue
lhe enviaria em uma carta por dia
toda poesia que você inspirou.

Para livrar a consciência,
externar o desconforto,
o desalento, o cansaço
exorbitante entre meus braços
Cantaria por mais uns 500 dias
a saudade acompanhada da sua falta.

Em todo caso, eu te amo.
É só isso e mais nada.

-e.m(2017,02)
-Sempre fotografei em preto em branco mas,
acabei viciando nos seus olhos castanhos
claros rentes a minha lente.
Condicionado a registrar todos os dentes
do teu sorriso,
já com saudade do seu cheiro
preenchendo todo o recinto.


-e.m(2017,02)